Corais que se enterram

(Sentoku et al., 2016 – Scientific Reports)(Sentoku et al., 2016 – Scientific Reports)Assim como existem corais zooxantelados (e, portanto, indiretamente fotossintéticos), também existem corais azooxantelados, que não possuem zooxantelas e dependem de alimentação heterotrófica. E dentre eles, temos esta interessante espécie chamada Deltocyathoides orientalis, que recentemente foi descrita (Sentoku et al., 2016, Sci Rep) como uma espécie que se enterra e mantém apenas os tentáculos expostos para capturar as suas presas.


Doenças de peixes marinhos

Fish Disease: Diagnosis and Treatment (Noga, E.J., Wiley-Blackwell)Fish Disease: Diagnosis and Treatment (Noga, E.J., Wiley-Blackwell)Pessoal, um dos grandes problemas da aquariofilia marinha brasileira, infelizmente, é a falta de informação no combate às doenças. Parasitas como Amyloodinium ocellatumCryptocaryon irritans e Brooklynella hostilis frequentemente devastam aquários. Por isso, a Eco-Reef pede para os aquaristas para que busquem fontes CONFIÁVEIS. A melhor delas, e aqui recomendada, é o livro do Prof. Dr. Edward Noga, chamado Fish Disease: Diagnosis and Treatment. Vamos melhorar o hobby e sermos responsáveis com os organismos. Compartilhem!

https://www.amazon.com/FISH-DISEASE-DIAGNOSIS-TREATMENT-2ND/dp/8126550694/ref=mt_paperback?_encoding=UTF8&me=


Invertebrados pouco conhecidos - Tardígrados

Tardígrado (http://palaeos.com/metazoa/ecdysozoa/tardigrada/)Tardígrado (http://palaeos.com/metazoa/ecdysozoa/tardigrada/)Tardígrados, ou "ursos aquáticos", são pequenos organismos encontrados em ambientes úmidos e aquáticos (tanto continentais quanto marinhos). Eles toleram uma impressionante variação de temperatura, de -272 até 150ºC! São encontrados em regiões polares e até vulcânicas!

 

 


É bom aclimatar peixes através de gotejamento?

(http://www.yourfishstuff.com/shipping-bag-large)(http://www.yourfishstuff.com/shipping-bag-large)Para peixes que ficaram mais de 48 h em trânsito, não é uma boa idéia. No saquinho de transporte, o peixe irá respirar e excretar. A amônia (NH3) excretada é tóxica, mas O CO2 oriundo da respiração irá diminuir o pH e converter parte da amônia em amônio (NH4+), que não é tóxico. No entanto, quando você abre o saquinho, o CO2, que é instável, sairá para a atmosfera, o pH subirá e o amônio será rapidamente convertido em amônia, causando danos às brânquias do peixe.


Invertebrados pouco conhecidos - Cycliophora

Cycliophora (http://www.leica-microsystems.com/science-lab/in-the-footsteps-of-linnaeus-microscopic-imaging-in-marine-biodiversity-research/)Cycliophora (http://www.leica-microsystems.com/science-lab/in-the-footsteps-of-linnaeus-microscopic-imaging-in-marine-biodiversity-research/)Ciclióforos são pequenos animais arredondados que vivem associados aos apêndices bucais de lagostas! Sim, isso mesmo. Estes animais foram descritos somente em 1995 e apenas três espécies são conhecidas.


Recifes abissais

Recife de [i]Lophelia pertusa[/i] (http://www.xray-mag.com/content/coral-populations-north-atlantic-under-threat-climate-change)Recife de Lophelia pertusa (http://www.xray-mag.com/content/coral-populations-north-atlantic-under-threat-climate-change)Embora estejamos mais familiarizados com recifes de corais rasos, também existem recifes de corais de oceano profundo. Veja na foto abaixo um recife do coral Lophelia pertusa, que é uma espécie relativamente abundante em áreas profundas do Oceano Atlântico e do Brasil, ocupando faixas de 100 a 3.000 m de profundidade. A L. pertusa, evidentemente, é uma espécie azooxantelada e não necessita de luz.


Invertebrados pouco conhecidos - Kinorhyncha

Quinorrinco (http://bizarrecreature.blogspot.com.br/2015/08/creature-329-kinorhyncha.html)Quinorrinco (http://bizarrecreature.blogspot.com.br/2015/08/creature-329-kinorhyncha.html)Quinorrincos são invertebrados marinhos bentônicos que habitam o substrato marinho e vivem enterrados no sedimento. Embora poucos tenham ouvido falar deles, não é incomum encontrá-los em aquários marinhos. Servem como um excelente alimento para peixes (mandarins, blennies e outros) que se alimentam de microorganismos bentônicos.


Fechado o ciclo de duas espécies de Peixe-Borboleta!

[i]Chaetodon sedentarius[/i] produzido em cativeiro (http://risingtideconservation.org/successful-aquaculture-of-the-reef-butterflyfish/)Chaetodon sedentarius produzido em cativeiro (http://risingtideconservation.org/successful-aquaculture-of-the-reef-butterflyfish/)Mais uma vez, o excelente grupo Rising Tide (http://risingtideconservation.org/) consegue fechar o ciclo larval de espécies de difícil cultivo. Desta vez, fecharam o ciclo de duas espécies de Chaetodontidae (Peixe-Borboleta), Chaetodon miliaris e Chaetodon sedentarius, este último sendo nativo da costa brasileira. Parabéns Rising Tide!


Combo 04 Cassiopea + Aquário

Prezados aquaristas, agora vendemos as Cassiopea em um aquário especial para elas! Não dá trabalho nenhum! Veja o vídeo e as instruções abaixo!

https://www.youtube.com/watch?v=BRUmNjcruRc

 Combo Cassiopea + AquárioCombo Cassiopea + Aquário

-       Você receberá o seu aquário na embalagem de fábrica, junto com um saquinho de água contendo as suas água-viva Cassiopea, um temporizador e um recipiente contendo vaselina. Siga o passo-a-passo abaixo para montar o seu aquário:

-        - Abra a tampa do seu aquário e despeje a água e as suas Cassiopea dentro dele. Complete com água salgada (densidade de 1020-1025 kg m-3) até a linha vermelha.

-        - Abra o recipiente contendo vaselina e passe um pouco nos contatos elétricos da tampa e da base do aquário. Repetir isso uma vez por mês.

-        - Ligue o cabo de energia no aquário e no temporizador recebido, ajustando um fotoperíodo de 12 h de luz e 12 h de escuro. Ligue o temporizador na tomada.

E pronto! Aproveite as suas águas-vivas!

 

 

Observações:

1 - As plantinhas verdes de plástico que vem com o aquário podem ser removidas manualmente caso deseje.

2 - Não é necessário alimentar as águas-vivas; elas são fotossintéticas.

3 - Faça uma troca de água de 100% do volume a cada 30 dias, da seguinte maneira: pegue as águas-vivas (pode ser com a mão, elas não machucam) e coloque-as em algum recipiente com um pouco de água. Esvazie o seu aquário (usando o dreno lateral) e encha com água salgada nova. Coloque as águas-vivas de volta.


Marine Ornamental Species Aquaculture

Link no Amazon.com (https://www.amazon.com/Marine-Ornamental-Species-Aquaculture-Ricardo/dp/0470673907/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1486678398&sr=8-1&keywords=marine+ornamental+species+aquaculture).Link no Amazon.com (https://www.amazon.com/Marine-Ornamental-Species-Aquaculture-Ricardo/dp/0470673907/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1486678398&sr=8-1&keywords=marine+ornamental+species+aquaculture).Pessoal, recentemente foi lançado o livro Marine Ornamental Species Aquaculture, editado pela Wiley-Blackwell e voltado tanto para o público acadêmico quanto para o público aquarista. Lá estão descritos protocolos de cultivo para todas os principais grupos de peixes e invertebrados (incluindo corais, crustáceos, tridacnas e outros). E possui a participação da equipe da Eco-Reef em dois capítulos! Confira: (https://books.google.com.br/books?id=V_IjDgAAQBAJ&printsec=frontcover#v=onepage&q&f=false)